Ser dona da casa não é nada fácil

Olá! Hoje o post terá um enfoque diferente, não será voltado exclusivamente ao Dom Valente. A escrita será pautada nas minhas situações diárias, o foco estará na Neidi Dona de Casa, Pessoa, Mãe, Esposa, Mãetorista, Pedagoga, Terapeuta, Fonoaudióloga, Escritora desse blog e etc, etc, etc… Escrevo este texto porque sei que muitas mães sentem-se desvalorizadas. Além de uma rotina desgastante, convivem com a falta de reconhecimento do seu esforço e dedicação. 

É notória a transformação do papel da mulher na sociedade nas últimas décadas. Podemos usufruir nossa liberdade de escolha, trabalhar, construir carreira, exercer liderança, delegar as responsabilidades da casa, ter ou não filhos, deixar ou não as crianças na escola de Educação Infantil… Entretanto, por opção ou por falta dela há um percentual grande de mulheres assumindo as rédeas do lar, vivendo as delícias e as mazelas dessa carreira sem perspectiva de ascensão (opinião pessoal). 

As condições de serviço das donas de casa não são das melhores! Não temos horário fixo, não temos plano de serviço diário ou carreira, não temos feriados, finais de semana ou férias e nem mesmo salário temos! Ahh, mas trabalho e gente para perturbar tem aos montes!

Ser dona de casa é estressante! A exaustão é decorrente das tantas atribuições diárias e também da falta de reconhecimento e cuidado. Eu costumo dizer que ESTOU dona de casa dadas as circunstâncias da vida, mas não me realizo nessa profissão.  Muitas vezes me sinto frustrada e improdutiva, embora  seria forte candidata ao troféu de produtividade doméstica se ele existisse. Vai Neidinha!!!

Tenho amigas que deixaram suas profissões para se dedicarem aos afazeres do lar, a criação dos filhos, ao gerenciamento  da rotina e das finanças. Eu admiro cada uma delas! Percebo que são realmente felizes na profissão que escolheram, e isso é algo muito pessoal. 

Eu também consigo reconhecer a minha importância na função que desempenho nesse momento, mas não quero fazer dela a minha carreira. Sei que tenho papel fundamental no desenvolvimento do Matheus e que estar em casa é parte disso. Certifico meu esforço em buscar informações sobre a patologia dele e sobre as alternativas de tratamento, terapias e estimulação. Compreendo que esse tempo que passo com ele – as brincadeiras, os afagos, as cantorias, os abraços, as terapias – é fundamental para seu progresso afetivo, social, cognitivo  e motor! Isso não tem preço! Estar dedicada ao Matheus é o que me deixa feliz, o que me mantém tranquila mesmo quando a casa está de pernas para o ar… 

Mas…

Não é fácil colocar uma casa em ordem! As tarefas são infinitas até mesmo para mim que já não busco mais a perfeição em limpeza… Há sempre quem derrube uma ou várias  gotas de água no chão e elas se transformem em borrões imundos! Há quem abra a porta da geladeira e do armário com as mãos ensebadas e deixe suas marcas. Existe aquele que não consegue comer sem esfarelar pão por toda cozinha, o outro que come no quarto e dá de comer para os monstros que vivem embaixo da sua cama (somente isso para explicar tanto farelo no chão). Existe alguém que derruba  comida fora da lixeira, que  entra de tênis e deixa no piso os vestígios das pegadas… Que tal complementar essa rotina pesada com as incontáveis paradas para alimentar um bebê guloso, dar água, trocar fraldas, brincar, preparar, oferecer e lavar mamadeiras, arrumar bolsa, trocar roupa, correr para as terapias (ah o trânsito)… Cansei só de escrever! Essa não é uma rotina somente minha, mas de tantas mamães por aí!
Há sempre muito o que fazer! Se procurar não vai nem respirar, só limpar!
Já li por aí que ser dona de casa é ser Gata borralheira e Cinderela no mesmo dia. Confesso que meus dias estão  mais para Gata borralheira… Nenhum glamour! Não é à toa que digo que vivo descabelada, desarrumada e desorientada! Porém, logo serei uma Gata Borralheira sarada, pois, inacreditavelmente, essa semana eu encontrei um tempinho para iniciar a malhação (mas isso será tema para outros tantos posts).
Expectativa e realidade ilustradas abaixo…
                                dona de casa perfeita-798198             tag dona de casa
Enfim, ser dona de casa não é nada fácil! É preciso  ser inteligente, paciente e habilidosa!