Dom comilão e sua mastigação

Hoje falaremos sobre o Dom comilão e sua mastigação!

Gente, ter uma criança especial em casa é uma realidade para a qual ninguém está preparado até que aconteça. Existem as novidades trazidas pela chegada de um novo ser, porém, há também a adaptação. Dessa forma,  certos acontecimentos chegam de maneira precoce ou com atrasos (considerando as etapas “normais” do desenvolvimento infantil).  Faz parte do processo de vida  e cabe aos pais e profissionais encontrar meios para que a criança avance.

A mastigação

A mastigação é uma das funções mais importantes para o desenvolvimento craniofacial da criança, além de ser   a fase inicial do processo digestivo. Para que a mastigação ocorra de forma harmoniosa  e eficiente, é necessária a coordenação de diversos ossos e músculos, para que o alimento possa ser triturado e preparado para ser engolido.
Esse processo de mastigação inicia por volta dos 7 meses de idade, com a chegada dos primeiros dentinhos. Mesmo tendo somente os dentes da frente, a criança já exercita o ato de mastigar e isso estimula o crescimento dos demais.

E quando rola uma preguicinha?

Na maioria das vezes, a preguiça de mastigar acontece pela hipotonia dos músculos da língua, lábios e bochecha, isto é, a flacidez desses músculos. A flacidez existe devido a falta de exercícios na região oral. Essa flacidez traz sérios prejuízos, pois os músculos flácidos não conseguem fechar os lábios e a criança começa a respirar pela boca.

Alimentação X mastigação

Até os seis meses de vida de uma criança saudável, o leite materno deve ser o alimento exclusivo de acordo com recomendação da Organização Mundial da Saúde – OMS. Depois desse período inicia-se a introdução dos alimentos sólidos, visto que o leite materno não supre mais todas as necessidades do bebê.

Então…

Entre os 4 e os 6 meses: Ofereça os primeiros alimentos com um sabor simples e textura suave, que sejam semelhantes ao leite, para que o bebé tenha uma transição tranquila.

Entre 7 e os 8 meses: Substitua gradualmente os purês de legumes e de frutas por purês esmagados, cuja textura será percebida pela criança.

A partir dos 9 meses: Deve passar a dar os alimentos em pequenos pedacinhos, como massinhas, pequenos cubos de batata bem cozida, arroz bem cozido, frutas e vegetais bem cozidos. Continue a triturar a carnes e o peixe já que a sua textura é mais fibrosa e difícil de mastigar.

A partir dos 12 meses: Hora de avançar! A refeição do bebê deve incluir pequenos pedaços de alimentos e consistências mais ou menos espessas e estaladiças. Esmague os alimentos com um garfo, experimente oferecer fatias de cenoura cozida, pequenos pedaços de tomate sem pele.

E nos casos especiais?

Gente, as orientações contidas acima se referem a uma criança neurotípica, a qual, naturalmente, desenvolverá as habilidades e avançará em seu desenvolvimento psicomotor. No entanto, quando temos uma criança especial a dança pode ter outro ritmo. Como pais devemos estar preparados para auxiliar nesse processo, logo, precisamos buscar informações e ter ainda mais paciência e tranquilidade.

Ai, ai, ai o Dom!

Matheus sempre teve um excelente reflexo de sucção e isso já é parte do caminho. A introdução dos alimentos sólidos começou com 5 meses de vida. De cara ele aceitou as papinhas de frutas amassadinhas, papinha de tapioca, purê de batatas e caldinho de feijão. Comia que se lambuzava!

Um pouquinho depois, introduzimos em seu cardápio as sopas de legumes, com macarrão e carne (legumes, carboidrato e proteína), mas o medo dos engasgos fez com que esses alimentos fossem liquidificados. Essa prática persistiu por alguns meses… Em seguida, passamos a oferecer alimentos apenas amassados,  mas como ele já tinha o hábito da papinha mais pastosa, nem sempre a aceitação era fácil. Ou melhor, nem sempre É fácil, pois ele ainda encrenca com determinados alimentos e suas texturas diferenciadas.

Matheus sabe mastigar, mas como não exercitou de forma efetiva, mostra-se relutante a aceitar novas texturas. Porém, isso precisa ser trabalhado e desenvolvido para que ele avance na aceitação dos alimentos e também na fala.

E quem poderá ajudar o Dom?

O fonoaudiólogo é o profissional certo para orientar as famílias! Então…. lá fomos nós! Ontem Matheus teve uma avaliação com a Fono Keila Moreira, a qual o acompanhará na clínica Cecepaz. Ela iniciou o atendimento preenchendo a ficha de Anamnese e, sem seguida, fez perguntas sobre o dia a dia do Matheus e sua relação com os alimentos. Eu assumi a culpa do liqüidificador e me comprometi a mudar!

Ela deu dicas valiosas, as quais podem ser seguidas em casa. E eu já iniciei e já vi os resultados!!! Por isso resolvi escrever!

Dra. Keila me orientou a comprar um pedaço de tule, lavar, colocar algum alimento dentro (de preferência fruta para começar), amarrar com fio dental e oferecer ao Matheus. Esse recurso é semelhante a redinha ou alimentador colorido, disponível no mercado. Mas ela disse que o recurso feito em casa cumpre melhor a função. Além disso, ela massageou as bochechas do Matheus para estimulá-lo a mastigar.

Essa é a redinha

3015_1_20150616181921
Fonte: http://www.munchkin.com

Eu observei tudo e pá…

Hoje na hora da fruta ofereci melancia (sem redinha mesmo), massageei as bochechas dele e forcei um pouquinho a entrada da melancia! Genteeee, ele mastigou como nunca antes! Comeu todos os pedaços que ofereci, não engasgou, não fez cara feia, não cuspiu… Eu chorei de alegria! Depois de secar as lágrimas vim escrever o post, pois considero importante compartilhar com outras mães, que podem ter as mesmas angústias.

Uma dica tão simples e que fez toda a diferença! Vou seguir aplicando e contando os avanços para vocês! Também vou registrar alguns momentos dele com a fono e pedir que ela escreva algo para nos orientar.

Para finalizar, deixo algumas coisinhas (baseadas em buscas e leituras em diversos sites) que podem auxiliar no desenvolvimento da mastigação e deglutição dos filhotes.

Estímulos

  • Encoste seu rosto no da criança e faça movimentos com a sua boca como se  estivesse mastigando e engolindo algo.
  • Pronuncie algumas onomatopeias tipo “hum” e “nham, nham” (isso é um exercício facial para nós)
  • Encoste as mãos do bebê em sua garganta, para que sinta quando você engole. Emita algum som e termine com exclamações como “que gostoso”.
  • Faça ou compre uma redinha e coloque pedaços de alimentos macios dentro. Encoste nos dentes superiores do canto da boca, exercitando a mastigação e movimentação da língu

Dicas

  • Evite liquidificar ou passar os alimentos na peneira.
  • Amasse com um garfo os alimentos, para que a criança possa se acostumar com as texturas.
  •  Conforme a criança vai crescendo e surgem mais dentes, aumente os pedaços amassados.
  • Prefira as colheres de silicone, pois oferecem mais segurança caso o bebê venha a mordê-las, além de não esquentar como as de metal.
  •  Ofereça alimentos de texturas variadas.
  • Estimule a criança a comer todos os tipos de alimento, assim sua mastigação será eficiente.
  • Ofereça alimentos com texturas diversas e em tamanhos diferenciados, mas respeite o tempo da criança!
 Gente linda, por hoje é isso! Mas um pequeno avanço que se soma a uma rotina de vitórias do nosso Dom Valente!
Essa semana eu voltarei com as novidades da Estimulação Precoce (será tudoooo de bom porque o time é 1000) e o início das atividades na Rede Sarah.
Bjus e uma noite tranquila!