Conseguimos fazer o EEG – eletroencefalograma

Gente linda, boa tarde! Nessa postagem continuaremos atualizando vocês sobre os últimos acontecimentos na rotina do nosso Dom Valente.  Na sexta-feira CONSEGUIMOS realizar o eletroencefalograma, exame rotineiro, solicitado pela neuropediatra para avaliar a atividade elétrica do cérebro dele (em outro post detalharei sobre o motivo da solicitação e o exame em si).

Esse exame consiste num procedimento rápido, simples e indolor, no qual os impulsos elétricos do cérebro são amplificados e registrados no papel. Contudo, há alguns poréns nessa história… o teste pode não ser tão simples e tão rápido quanto garantem as informações disponíveis na web.

Matheus já fez esse exame outras 3 vezes, entretanto, ele era mais bebê e dormia (condição ideal) ou permanecia quietinho. Dessa vez foi um pouco diferente…

Agendamos o exame no Hospital das Forças Armadas – HFA, pois a técnica de lá é super profissional e atenciosa (ela já havia realizado o procedimento anteriormente). Recebemos as instruções abaixo:

  • Lavar os cabelos no dia anterior e não usar condicionador;
  • Manter os medicamentos de uso contínuo, mas informar ao profissional que fará o exame sobre eles; 
  • Fazer a restrição de sono na noite anterior ao exame, dormindo no máximo quatro horas;
  • Não há restrições alimentares, mas alimentos estimulantes deve ser evitados.

Nos preparamos para a primeira tentativa, mas não seguimos com tanto rigor essas indicações, pois acreditamos que se levássemos no horário da soneca da tarde tudo daria certo. Resultado: Matheus acordou ainda durante a colocação dos primeiros eletrodos, chorou, arrancou tudo e ficou alerta. Procedimento não realizado!

Nos organizamos para a segunda tentativa, seguimos as recomendações, mas achamos que não seria necessário uma privação de sono tão longa. Dormiu em horário normal, por volta das 23 horas, e foi acordado às 6 da manhã. O exame estava marcado para às 8 horas. Após meia hora de embalos ele adormeceu e a técnica iniciou a colocação dos eletrodos. O sono estava leve e ele mexia e remexia a todo instante. Quando faltavam 2 dos 24 eletrodos, ele acordou e o peguei no colo para finalizar a colocação, mas com isso alguns soltaram…

Eletrodos dispostos corretamente, eu imóvel com ele no colo e o exame começaria… Mas até meu respirar atrapalhava a captação dos impulsos elétricos e o computador não fazia a gravação por ter interferência… Passados alguns minutos (que pareceram eternidade, meu braço estava dormente), o pequeno acordou e com uma única mãozada removeu todos os eletrodos… Procedimento não realizado!

Nesse dia fiquei desanimada e disse para a Marina que não tentaria novamente e que buscaria uma clínica que realizasse o teste com sedação. Ela insistiu para tentarmos de novo, disse que com crianças é assim mesmo e que devemos persistir. Mas neguei e saí de lá bastante decidida  a não tentar da forma natural outra vez. 

Em casa e mais descansada telefonei para ela e avisei que insistiria mais uma vez.

Nos dispomos para a terceira tentativa com mais afinco. Seguimos a risca as recomendações, sobretudo a que sugere a privação do sono… Para essa há uma preparação física  e psicológica, pois não é  fácil passar a madrugada em claro. Quinta-feira é um dia intenso para o Matheus. ele tem Educação Precoce e hidroterapia, atividades que o deixam cansado. Aproveitando isso, marquei o exame para sexta, por ser também um dia livre de terapias para nós. 

De quinta para sexta nosso Valente estava animado, foi dormir quase 1 da madrugada. E eu também, claro! Às 4 da manhã o acordei e ficamos passeando pela casa, cantarolando baixinho, assistindo vídeos no celular e acompanhando o Jornal do SBT… Também demos umas voltinhas de elevador, apreciamos o sol nascer e descemos com a vizinha para levar a Luna para seu pipi matinal. 

A luta para acordar às 4 da madruga…

Já que estamos acordados, vamos tirar foto

Antes da 7 horas já estávamos no HFA e a Marina nos aguardava carinhosamente. Matheus entrou na sala, mamou, se aninhou e rapidamente apagou. Marina conseguiu colocar todos os eletrodos com certa tranquilidade (as vezes ele mexia, pois ainda não estava em sono profundo e devido a posição – barriga para cima). A captação dos impulsos elétricos começou e a gente torceu para que ele não mexesse ou acordasse pelos próximos 20 minutos, tempo de gravação mínima necessária para emissão do laudo. 

Para nossa alegriaaaaa

Deu certo!!! 21 minutos depois ele virou para a sua posição preferida, arrancou os eletrodos do lado direito e resmungou porque queria dormir confortavelmente e sem “coisinhas” na sua cabeça.

Deixem-me sonhar

Registramos nosso agradecimento ao cuidado, dedicação, respeito e profissionalismo da Marina. Uma pessoa incrível, profissional rara. Muitoooo obrigada! 

Então, mamães*, sigam as recomendações a risca! As chances do exame dar certo de primeira será maior e o estresse causado pela fadiga e tentativas frustradas será evitado. 

* Falo mamães, pois essa é uma tarefa para nós mesmo, Mães Maravilha! Quero ver pai ter disposição  e paciência para uma rotina “moleza” como a que temos! 

Por hoje é isso! Super beijo e abençoada semana!