Comportamento sensorial repetitivo

Olá!!! Tenho certeza que as mamães sabem descrever em detalhes os diversos momentos da vida dos pequenos. Cada fase é marcada por uma ou várias conquistas e também pelas manias, hábitos, jeitinhos… Já as mães de crianças especiais, acendem a luzinha de alerta quando percebem que tais manias podem estar relacionadas a um comportamento sensorial repetitivo… A gente aprende sobre isso na prática, nas experiências com outras mães, nos consultórios, na internet…

Comportamento sensorial repetitivo ou auto-estimulante  define um grupo de comportamentos presentes em crianças com atraso de desenvolvimento, síndrome ou transtorno. Pode ser tão repetitivo a ponto de parecer compulsivo. 

Os terapeutas consideram essas brincadeiras sensoriais de forma negativa, pois elas reforçam o isolamento do sujeito, uma vez que ele se satisfaz brincando sozinho, com o próprio corpo. Por isso a orientação é sempre buscar alternativas para que a criança substitua o comportamento repetitivo por algo que possa ser feito em parceria e que contribua para o desenvolvimento afetivo e social. 

Claro que as crianças típicas, em certa etapa do desenvolvimento, também realizam brincadeiras sensoriais, a diferença é que elas logo avançam para novos desafios. Contudo,  quando existe falha ou atrasado no desenvolvimento sensorial,  as crianças podem ficar muito tempo em uma determinada etapa, comprometendo as fases seguintes.

Assim, para ajudar os pequenos é preciso estar atento e identificar a conduta repetitiva. A dica é   tentar substituir ou impedir e observar a reação deles. A intensidade da raiva pode indicar aos pais se o comportamento já se transformou em uma compulsão. Brigar não é adequado, pois pode intensificar o hábito. A sugestão é substituir e  criar situações novas.

Abaixo uma listinha dos principais comportamentos repetitivos:

Agitar brinquedos, Brincar com os dedos,  Alinhar brinquedos, Empilhar brinquedos e derrubá-los,Girar rodas de carrinhos, Fixar o olhar em determinados objetos, Folhear livros sem ter atenção, Abrir e fechar gavetas e portas, Andar em determinados padrões, Amassar ou rasgar papel, Sacudir a cabeça, Gritar em voz alta e/ou com voz fina, Repetir sons, Bater em tudo, Dar risadas excessivas, Cantar constantemente, Recitar o alfabeto repetidamente, Chupar dedo, Mastigar o interior das bochechas, Roer as unhas, Arranhar, Bater a cabeça, Ranger os dentes, Levantar e abaixar a parte superior do corpo enquanto está sentado, entre tantos outros.

Calma, calma!!!

Calma, mamãe!!! Inspira, respira e não pira! Ficar atenta não quer dizer ficar neurótica procurando comportamentos repetitivos que possam indicar alguma coisa. Se você é mãe de criança especial certamente já observou muitos desses (Matheus tem váriossss)… Tente ajudar buscando alternativas criativas para que a criança avance etapas.  Se a criança for neurotípica, a dica é observar para saber se há alguma causa emocional ou se é apenas pela satisfação pessoal, fuga ou outra. Para ambos os casos, é importante o olhar atentivo, bem como descartar qualquer disfunção caso a conduta persista. 

Até breve!