Colo é afeto que pode ser sentido

Agora a pouco fui colocar o Matheus para dormir e me emocionei ao tê-lo tão seguro e confortável em meus braços. Enquanto o embalava suavemente, refleti sobre essa afetividade e resolvi compartilhar com vocês!

Como podem ver nosso baby não dorme cedo, ele é baladeiro. Já fiz alguns experimentos, mas resolvi respeitar seu ritmo para evitar diálogos na madrugada e o estresse de uma noite mal dormida. Bem, dito isso, vamos a cena que gerou esse post. 

Após a rotina diária – troca, mamadeira e escovação – segurei Matheus em meus braços e ele se aconchegou, mas ainda estava excitado e querendo brincar. Então, por um instante, pensei em colocá-lo no berço para que adormecesse sozinho, pois ele é capaz disso… Abençoei seu sono e desejei boa noite, mas não consegui colocá-lo em sua caminha, pois me dei conta que essa forma de aconchego é breve, passageira.

Daqui um tempo Matheus não caberá mais em meu colo da forma como consigo segurá-lo hoje, portanto, não seria justo com ele e comigo desperdiçar esse momento.

Aproximei ele do meu peito e me emocionei ao vê-lo adormecer serenamente, aninhado, acarinhado, sentido-se tão amado!

Matheus e eu temos uma cumplicidade incrível, uma conexão indescritível. Talvez eu seja mesmo o anjo da sua vida aqui na terra… Nossa linguagem é o AMOR, o mais PURO e PROFUNDO AMOR! Por isso, vou envolvê-lo em meus braços enquanto eu puder.  

Colo acalenta, aproxima, acarinha, fortalece o vínculo entre o bebê e o adulto. Colo deixa a criança mais segura, ela sabe que tem pra onde voltar sempre que precisar. Colo  é afeto que pode ser sentido! 

Vamos abraçar mais, acalentar mais, amar mais! O tempo passa depressa, mas nossas ações deixam marcas na vida do outro! Sejamos capazes de imprimir marcas de afeto, pegadas de amor, rastros de cumplicidade!

Tenham uma noite abençoada e um amanhecer de muito carinho!